7 de janeiro de 2005



exercício poético para tentar te exprimir e ajudar a lembrar sempre de você.



(a realidade alheia é ficção sob os meus olhos)



gosto da aparência que você sonha para si e não consegue manter
gosto da falsidade dessa aparência que você não consegue manter

apaixona pela aparência
pela força com que a sonha

sonha-se com tanta força
que a aparência do sonho (me) apaixona



mas exprime princípios nos gestos
e mal se conhecendo tende a desrespeitar o nó


--

Um comentário:

João Francisco disse...

Muito bom, também. Muito bom.

E não sou viciado não... you might be wrong.

Abraço.