18 de fevereiro de 2005

--

escolhe e me dá palavras que fazem preferir não estar sóbrio. reinauguro um passado com nascimento sem futuro sem família boa que implique correção na vida formação sem inglês e sem carinho para poder não desistir de desistir e exercer o que sou apesar da causa-efeito. meu novo passado prevê um futuro sujo como esse de agora deitado neste pano tão compreensivo o colchão mole e tão afeito ao corpo – minha roupa para noite, este colchão. a ameaça vem apenas e quando quero da música que me permito enquanto o corpo parece afundar para o andar de baixo no colchão que abraça ajudado pela cor. quando e se eu trocar seu tecido a sensação será de dormir com outro que não você deixo que o arrepio de um espirro traga ao pensamento e faça crescer o frio que é o outro nome da solidão. das ardências, a do calor é diferente daquela do que está em carne viva.

--




--

3 comentários:

catah disse...

Muito legal o que escrevestes. Bom, quanto a tua pergunta, vc tem um link pro blog Sixteen Cigarettes certo? e lá tem um link prum tal de St. Ide's Heaven, q era meu antigo blog. Sabe o dono do Sixteen? Pois então, é meu primo...XD
Quanto a Pixies, é, com o tempo talvez, enquanto isso vou escutando Queens of The Stone Age, Lullabies to Paralyze, o novo cd que ainda não fo lançado nem nos EUA!!! Soul Seek faz milagre.

Leandro disse...

Retribuindo a visita, com cortesia e votos de volte-sempre.
Mas não é só de amenidades e gentilezas que fazem moinhos girar. Gostei do colchão. O meu suga-me as forças como um buraco negro todo dia em que meu passado não se ajusta às expectativas futuras.

leandro disse...

Vanessa, o trecho "Mas não é só de amenidades e gentilezas que fazem moinhos girar" siginifica que não comentei o seu blog só para retribuir a gentileza, mas que gostei mesmo dos textos. Beleza?