8 de agosto de 2005

--

visões


meu nome é uma asa de borboleta
que prendeu-se
a uma fissura da tua lembrança


e entre o teu olhar e a minha vontade
nunca houve impedimento
a não ser o meu olhar e a tua vontade



(tudo o que faz as vezes do óleo
que repreende a água
e que sobre a pele
facilita o trabalho da luz

mas sobre esta pele não foi impresso filme algum)

--

9 comentários:

carioca disse...

p.q.p., muito legal!!!

mayná quintana disse...

lindo, vanessa.

don rodrigone disse...

Me anima ver poesia sem rima. Sensibilidade latente em versos competentes. xi, eu rimei =/

PARANÓIAS ETÍLICAS disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
PARANÓIAS ETÍLICAS disse...

Io melodramatica?? só por causa de um sanguinho?? rsrs... bessos

PARANÓIAS ETÍLICAS disse...

sobre o teu comentário do olhar: adoro os impressionistas... eles pintavam uma mesma paisagem em diferentes momentos e sempre havia algo diferente em cada tela.... Buscar a eterna novidade do mundo... (ah.... vc tb cria imagens muito boas!) bessos

Pablo Araujo disse...

cada vez melhor,

alexa18myra disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
pedro pan disse...

,borboletas sempre me alucinam. tuas asas tão bem. & que se impresse filmes em nossos olhares.

|abraços|